Slide

quarta-feira, 30 de julho de 2014

Fênix: A ilha – John Dixon

 

Editora: Novo Conceito
Páginas: 336                           
Sinopse: Sem telefone. Sem SMS. Sem e-mail. Sem TV. Sem internet. Sem saída. Bem-vindo a Ilha Fênix.
Na teoria, ela é um campo de treinamento para adolescentes problemáticos. Porém, os segredos da ilha e suas florestas são tão vastos quanto mortais. Carl Freeman sempre defendeu os excluídos e sempre enfrentou, com boa vontade, os valentões. Mas o que acontece quando você é excluído e o poder está com aqueles que são perversos?

Palavras:

Carl Freeman tem 16 anos e é considerado um delinquente juvenil. Isso porque ele já brigou com mais valentões do que pode se lembrar. Mas Carl é assim, não importa se conhece ou não a pessoa, se ela for frágil e houver um valentão a perturbando ele entra em ação e a defende usando os punhos por instinto. Ele sabe que não é o mais correto, só que ele não consegue ver uma injustiça assim. Esse instinto protetor rendeu ao garoto diversas idas ao tribunal, e a última vez mudou o destino dele.
O Juiz o enviou a Ilha Fênix, um lugar conhecido como um campo de treinamento militar para jovens delinquentes, caso se comporte sua ficha será limpa. Mas será isso a plena verdade?
Carl faz amigos e inimigos bem rápido, mas os lados não estão traçados quando a ilha esconde mais mistérios do que se pode medir. Alguns desses mistérios estão contidos no diário de outro garoto que esteve na ilha, antes de Carl. E nosso protagonista descobriu esse diário...
Hic sunt dracones – Aqui há dragões

Com uma narrativa em terceira pessoa, ágil e envolvente, Dixon nos leva pelas rotinas de treinamento de uma forma que só atiça a curiosidade. Os capítulos curtos e diversas cenas de ação contribuem para dar velocidade à obra e nos envolver.
O personagem principal é cativante e mesmo não sendo da forma mais correta, luta por uma causa justa. O vilão é cativante e tem razão em alguns momentos, mas é meio perdido em seus sonhos utópicos e delirantes pelo poder e pela conquista. Posso quase ver a loucura e a paixão característica de um extremista nele. Os secundários são interessantes, mas a sua visibilidade é voltada mais a ligação deles com Carl.
A diagramação ficou linda, mas algumas falhas ocorreram, pois pude notar em alguns momentos falta de pontuação, como os travessões em algumas falas. A capa segue o padrão dos EUA e é perfeita para a história, não consigo pensar em uma melhor.
Estou bem curiosa para entender melhor os esquemas do vilão e seus pupilos/seguidores. Por ser esse um livro introdutório a série, muitas perguntas ficaram sem resposta.
Ganchos para os próximos livros não faltam, ao mesmo tempo em que o final é muito bom e um pouquinho mais rápido do que eu queria. Envolvi-me tanto com a história que não consigo pensar em uma “nota” inferior a 5 borboletas.
Essa é uma história que trata sobre até onde você iria para defender os seus ideais e princípios. E se seriam eles os mais corretos. Indico a leitura aos apaixonados por histórias ágeis e com reviravoltas que te entusiasmam e preocupam. Além é claro daqueles que amam cenas de ação.

Imagens e Trechos:

“– Esse menino parece muito impressionado.
 – É. Ao que parece, o Ancião é muito diferente dos outros sargentos. Tipo um guerreiro fodão superpoderoso ou coisa assim. Mais inteligente e muito mais perigoso. Vire a página e olhe.”

“Podem me bater por trás e me espancar enquanto estou inconsciente e me trancar nesta jaula, mas não podem determinar quem eu sou. Podem me negar água e comida, mas não podem me mudar. Podem atirar em mim pelas barras desta cabine ou me pendurar no mastro da bandeira ou me jogar aos tubarões, mas não podem me fazer gritar nem implorar. Não vou deixar. Sou eu quem determina o que sou. Não vou pedir misericórdia. Não vou demonstrar fraqueza. Vou ser forte. Se me matarem, vão se lembrar da minha força; vou força-los a viver com a lembrança da minha força para sempre.”

– Minha decisão de facilitar sua direção pode parecer ousada, mas isso não deveria incomodar alguém como você. A vida é feita de escolhas. As pessoas fingem que essas escolhas são simples, certo versus errado, bom versus mau, cara ou coroa, você escolhe, mas, no mundo real, enfrentamos dilemas. Não há respostas simples. Nada é preto no branco, tudo é cinza. Você e eu sabemos disso.”

“[...] Haviam matado. E sobrevivido. Não havia modo de superá-los.
Carl procurou uma arma. Pegou uma pedra.
Um pedra versus dois fuzis. Bela aposta.”

Classificação:




Essa resenha também foi publicada no Arca Literária
Ps.: Sei que são muitos trechos, mas todos foram importantes para mim... e olha que tirei vários dessa resenha, afinal vocês merecem as várias surpresas.

12 comentários:

  1. Adorei essa deliciosa resenha. Esse livro parece incrível. A diagramação dele é perfeita. Preciso ler urgente.

    M&N | Desbrava(dores) de livros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A diagramação é linda mesmo e ele é incrível kkk

      Excluir
  2. Fiquei animada para ler, parece incrível! Preciso dar uma olhada *.*
    Beijos
    Obcecados Por Livros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olhe mesmo! Essa história vale muito a pena! Simplesmente apaixonei

      Excluir
  3. Que mundo maravilhoso você tem aqui, e que talentosas são parabéns pelo excelente trabalho.
    E que resenha maravilhosa despertando-me o desejo de conhecer um pouco mais. Beijos

    ResponderExcluir
  4. Uau!!! Que trechos maravilhosos foram esses que você escolheu??? Fiquei apaixonada só por essa prévia, depois de ler sua resenha mal posso esperar pra ler. O modo como você descreveu a narrativa rápida e as perguntas sem respostas que dão gancho para os próximos livros, me fez lembrar bastante Maze Runner que é uma das minhas séries preferidas. Agora que o filme está para sair e eu estou ainda mais apaixonada e ansiosa por Maze Runner, estava mesmo a procura de uma leitura similar para me distrair até setembro kkkk. Vou comprar esse livro o mais rápido possível kkk.

    Beijos
    www.antesdos40.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Compre mesmo! Enquanto isso, eu vou procurar sobre Maze Runner, quem sabe não é uma boa opção até o lançamento do segundo livro do Dixon...

      Excluir
  5. Oi Anna!
    Esse livro parece ser muito bom! Adoro livros de ação assim.

    Beijos,
    Sora - Meu Jardim de Livros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se gosta de livros de ação vai amar esse! Sério! (assim espero)

      Excluir
  6. Li o livro faz pouco tempo e concordo com a sua resenha, principalmente na parte sobre o vilão, até compreendo o objetivo dele, só acho que ele poderia cumpri esse objetivo de uma forma diferente .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Formas diferentes realmente não faltam, mas o que eu quis dizer é que a revolta por causas das injustiças que ele apresenta é compreensível, mas que ele se perdeu e se tornou um extremistas, algo que não é nunca positivo, pois quem vai a extremos demais não enxerga bem o todo.

      Excluir

Leia e Comente, sua opinião é muito importante para mim. Caso encontrem algum problema avisem.

Cliquem em "Notifique-me" para saber quando for respondido.

* Os comentários que possuírem link de algum blog terão a visita retribuída